Pular para o conteúdo principal

Anúncio

Charges: do discurso ‘político’ eleitoral ao discurso político da opinião pública”

Esta dissertação, sob o título: “Charges: do discurso ‘político’ eleitoral ao discurso político da opinião pública”, tem como objeto de pesquisa o discurso político, traçando a patente degenerescência do discurso político eleitoral e a politização do discurso da opinião pública, o qual se configura através do filtro da carnavalização do discurso político eleitoral. 

Nosso corpus são seis charges publicadas na Folha de S. Paulo, durante o período eleitoral de 2006, as quais se constituem em uma grande narrativa das eleições presidenciais. Entenderemos o discurso político eleitoral e também como a mídia e a opinião pública podem influenciar nesse discurso veiculado na charge à luz de, principalmente, Habermas, Charaudeau, Mcluhan, Melo e Bakhtin. 

No primeiro capítulo, será estudado o discurso político. Compreenderemos o contrato de comunicação, as instâncias enunciativas e a relação política e poder. No segundo capítulo, buscaremos discutir o discurso da informação, discorrendo sobre a importância social e histórica da informação, sua influência na formação do discurso político e o processamento de um jornal impresso diário. No terceiro capítulo, problematizaremos a opinião pública e sua origem, inclusive, a figura do “líder de opinião”. No quarto capítulo, entenderemos a relação entre a palavra e a imagem, a noção de charge e as suas características carnavalescas. A partir daí, tematizaremos sobre o caráter político da charge, focalizando Arnaud a respeito da politização e despolitização do discurso político. No quinto capítulo, faremos a contextualização social e histórica das charges e analisaremos seis charges publicadas na Folha de S. Paulo, de autoria de Angeli e Jean. Afirmaremos que a charge veicula o discurso político que se funda na ironia e na subversão, pela carnavalização de outros discursos, como o discurso político eleitoral. Assim, segundo nossas pesquisas, é explicado o discurso político da opinião pública.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Narciso

Narciso , um jovem cuja beleza era admirada por todos, era filho do deus Cefiso e da ninfa Liríope . Quando nasceu, um oráculo alertou a mãe que    o filho   nunca poderia ver sua beleza, pois poderia se apaixonar por si mesmo. À medida que crescia a beleza do menino era ainda maior, a ponto de desperta a paixão na ninfa eco. Porém o jovem Narciso, que era egoísta e cheio de si mesmo, não a considerou. Eco ficou tão furiosa que lançou uma maldição em Narciso: o jovem iria ver sua imagem em um lago e ficaria tão aficionado por sua beleza, que ficaria ali inebriado e morreria. Narciso mergulhou em sua própria imagem na tentativa de alcançá-la e morreu afogado. No lugar onde morreu nasceu um lindo narciso (flor), reza o mito que o belo jovem se transformara nessa linda flor para que sua beleza fosse eternizada. (Resumo produzido por Rosilene A Carvalho) Este mito inspirou Caravaggio a produzir Narciso .  Este grande pintor viveu entre 1571 e 1610, foi um pintor italiano, o mais r

Canto de um Jardim

  Canto de um jardim   Jeane Beatriz Macedo Pacheco Antunes de Carvalho

Aninha e suas pedras

Aninha e suas pedras Cora Coralina (1889-1985) Não te deixes destruir… Ajuntando novas pedras e construindo novos poemas. Recria tua vida, sempre, sempre. Remove pedras e planta roseiras e faz doces. Recomeça. Faz de tua vida mesquinha um poema. E viverás no coração dos jovens e na memória das gerações que hão de vir. Esta fonte é para uso de todos os sedentos. Toma a tua parte. Vem a estas páginas e não entraves seu uso aos que têm sede. Ouça Cora