Pular para o conteúdo principal

Anúncio

Acendendo estrelas

Acendendo estrelas 

Por Jeane Beatriz Macedo Pacheco Antunes de Carvalho 


Nas noites de verão,  formosas,
Quando a lua derrama sua luz na rua,
Fico pensativa, inebriada, muda, 
Sentindo minha mão na tua.
Se o cheiro dos jardins, das rosas,
Trazem de volta o fantasma do passado, 
Que importa a realidade,  se é de prata a rua,
Se ainda trago entrelaçada minha mão na tua,
Se há rosas nos jardins e me enterneço ao vê-las...
O tempo passou, ficou o encantamento...
E eu, como criança  ainda brinco de acender estrelas...

Esta poesia linda ilustra bem minha concepção de educação. Toda vez que vejo o brilho no olhar de um estudante quando aprende algo, é como se acendesse uma estrela. E eu também me ilumino.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Narciso

Narciso , um jovem cuja beleza era admirada por todos, era filho do deus Cefiso e da ninfa Liríope . Quando nasceu, um oráculo alertou a mãe que    o filho   nunca poderia ver sua beleza, pois poderia se apaixonar por si mesmo. À medida que crescia a beleza do menino era ainda maior, a ponto de desperta a paixão na ninfa eco. Porém o jovem Narciso, que era egoísta e cheio de si mesmo, não a considerou. Eco ficou tão furiosa que lançou uma maldição em Narciso: o jovem iria ver sua imagem em um lago e ficaria tão aficionado por sua beleza, que ficaria ali inebriado e morreria. Narciso mergulhou em sua própria imagem na tentativa de alcançá-la e morreu afogado. No lugar onde morreu nasceu um lindo narciso (flor), reza o mito que o belo jovem se transformara nessa linda flor para que sua beleza fosse eternizada. (Resumo produzido por Rosilene A Carvalho) Este mito inspirou Caravaggio a produzir Narciso .  Este grande pintor viveu entre 1571 e 1610, foi um pintor italiano, o mais r

Canto de um Jardim

  Canto de um jardim   Jeane Beatriz Macedo Pacheco Antunes de Carvalho

Aninha e suas pedras

Aninha e suas pedras Cora Coralina (1889-1985) Não te deixes destruir… Ajuntando novas pedras e construindo novos poemas. Recria tua vida, sempre, sempre. Remove pedras e planta roseiras e faz doces. Recomeça. Faz de tua vida mesquinha um poema. E viverás no coração dos jovens e na memória das gerações que hão de vir. Esta fonte é para uso de todos os sedentos. Toma a tua parte. Vem a estas páginas e não entraves seu uso aos que têm sede. Ouça Cora